10 CAPAS DE ÁLBUNS QUE FORAM CENSURADAS


Gal Costa, The Beatles, Kanye West, Guns N’ Roses e mais – cuidado, conteúdo adulto

Existem diversos motivos pelos quais capas de álbuns foram censuradas na história. Além de razões mais claras como nudez ou imagens explícitas de sexo e violência, algumas imagens foram banidas por países ou pelas próprias gravadoras por questões mais peculiares, como a simples aparição de uma privada. 

APPETITE FOR DESTRUCTION – GUNS N’ ROSES


Geffen Records/Divulgação


A capa do álbum de estreia de Guns N’ RosesAppetite for Destruction, trazia uma arte com o mesmo nome, feita por Robert Williams. A imagem, que mostrava um robô estuprando uma mulher, foi considerada forte demais, e grande parte das lojas americanas se recusou a vender o disco. A gravadora Geffen Records fez uma alteração drástica e lançou o disco novamente com a capa que tem hoje, com os rostos dos membros estilizados em caveiras. Atualmente, a capa original do Appetite For Destruction é considerada uma raridade. 

Confira algumas das capas mais famosas que sofreram censura:

INDIA – GAL COSTA


Philips/Universal Music/Divulgação


Em 1973, o álbum de Gal CostaIndia, foi censurada nas lojas. A capa, que trazia um foco na parte de baixo do biquini da cantora, que deixava uma saia de palha cair, não podia ser mostrada. O resultado foi que o disco foi vendido envolto por uma outra capa azul, que só aumentou a curiosidade das pessoas e, por consequência, o número de cópias vendidas. Em 2015, Gal comemorou a permissão que recebeu para vender o álbum com a capa à mostra pela primeira vez. 

[cuidado, conteúdo adulto]

STICKY FINGERS – ROLLING STONES


Rolling Stones/Divulgação


A capa de Sticky Fingers, álbum de 71 do Rolling Stones e considerado um de seus melhores, escandalizou em sua época de lançamento. A foto, concebida por Andy Warhol, mostra apenas uma virilha masculina, de calça jeans, e nas prensagens originais trazia um zíper de verdade que revelava uma cueca por baixo. Claro que alguns países tiveram problemas com a capa. Na Itália, a imagem foi substituída totalmente, por uma foto de uma lata cheia de dedos, e na Rússia o zíper real foi trocado por apenas uma imagem, com um estilo de machado russo no lugar. 

YESTERDAY AND TODAY – THE BEATLES


EMI/Divulgação


Yesterday and Today, dos Beatles, é um dos casos mais famosos de censura de capas de álbuns. O disco de 66 traz o quarteto com aventais de açougueiro e pedaços de carne, além de bonecos decapitados, em um estilo totalmente inesperado para o grupo. Depois que diversas lojas reclamaram da capa, a gravadora recolheu as cópias e relançou o álbum com uma imagem totalmente diferente, com o grupo sorridente ao redor de uma mala. Mais tarde, o conjunto se pronunciou com opiniões divergentes sobre a foto, com Paul McCartney dizendo que era uma crítica ao Vietnã e George Harrison dizendo que a ideia era “nojenta e estúpida”.

STREET SURVIVOR – LYNYRD SKYNYRD


MCA Records/Divulgação


Lynyrd Skynyrd tem a história mais triste de capa censurada. O álbum Street Survivor, de 77, foi lançado três dias antes do acidente de avião que causou a morte dos integrantes Ronnie Van ZantSteve GainesCassie Gaines, o que tornou a capa que mostrava a banda no meio de um incêndio altamente controvérsia. A MCA Records, gravadora da banda, alterou a capa por respeito aos mortos e após pedidos de Teresa Gaines, viúva de Steve Gaines, e lançou o disco novamente com os integrantes em um fundo preto. 

BALANCE – VAN HALEN


Warner Bros./Divulgação


O décimo álbum do Van HalenBalance, foi lançado com uma capa que causou escândalo para muitos. O fotógrafo Glen Wexler explicou que a imagem de gêmeos siameses buscava representar uma nova fase mais madura e sombria do grupo. Mas a forte imagem foi considerada absurda demais para alguns mercados, e o Van Halen foi obrigado a produzir uma versão alternativa, com apenas um garoto sentado na gangorra. 

BLIND FAITH


Polydor/Divulgação


O único álbum do Blind Faith, supergrupo formado com Eric Clapton e Steve Winwood, foi um dos mais controversos em sua época. O disco, que levou o nome da banda, trazia na capa a foto de uma garota pré-adolescente sem blusa, segurando o modelo de um avião (que muitos consideraram fálico). O fotógrafo, Bob Seidemann explicou que a capa buscava representar tecnologia em oposição à inocência, e que a garota era a visão de pureza, como uma Julieta de Shakespeare. Claro que o disco causou polêmicas, e a gravadora lançou uma versão alternativa apenas com uma foto da banda na capa. 

IF YOU CAN BELIEVE YOUR EYES AND EARS – THE MAMAS & THE PAPAS


Dunhill/Divulgação


Um dos casos mais curiosos de censura aconteceu com o álbum de estreia do The Mamas & the PapasIf You Can Believe Your Eyes and Ears, de 1966. A foto que traz o grupo em uma banheira, com Michelle Phillips em cima dos integrantes, foi considerada tabu por mostrar, no canto, uma privada. O disco recebeu diversas capas alternativas para esconder o vaso sanitário, uma com uma caixa preta em cima, outra com uma caixa com os hits do disco e, finalmente, uma versão que cortou os cantos, focando apenas nos membros do grupo. 

UNFINISHED MUSIC NO. 1: TWO VIRGINS – JOHN LENNON E YOKO ONO


Apple Records/Divulgação


O disco experimental Unfinished Music No. 1: Two Virgins, de John Lennon e Yoko Ono, tem uma capa considerada das mais controvérsias da música. A imagem do casal totalmente nu de frente e de costas (na contra-capa) foi considerada absurda pela gravadora EMI, que se recusou a lançar o disco de 1968. O resultado foi que Unfinished Music No. 1: Two Virgins foi lançado por duas gravadoras pequenas e independentes nos EUA e no Reino Unido, mas mesmo assim ele foi vendido envolto em um saco marrom. 

MY BEAUTIFUL DARK TWISTED FANTASY – KANYE WEST


Def Jam/Divulgação


A capa do quinto álbum de Kanye WestMy Beautiful Dark Twisted Fantasy, foi uma daquelas que a censura pode ser chamada de exagero. A imagem foi feita pelo artista George Condo e é descrita como West sendo “montado” por uma fênix, basicamente uma criatura feminina com asas. Depois de diversas lojas terem se recusado a vender o disco por causa da capa, ele foi trocado pela arte de uma bailarina, do mesmo artista. Alguns meses mais tarde, Condo revelou que West procurava uma arte que fosse banida. 

Texto: Omelete.com.br