ANEEL pretende tirar o direito do consumidor gerar energia solar na sua casa. | NEWS



A Geração Solar Distribuída no Brasil Vive Déjà-vu Espanhol.



A Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL – Amplia sua campanha de mídia com engajamento visando descredenciar a energia solar. É inacreditável, mas o fato é que a ANEEL abandonou seus pilares de regular e fiscalizar as concessões em benefício da sociedade. Hoje a preocupação da agência está em agradar o lobby das concessionárias e divulgar em suas redes sociais ataques à livre iniciativa do cidadão que deseja gerar sua própria energia elétrica. Por outro lado, divulga, via seus diretores, a tal “segurança regulatória para captação de investimentos”. Mas segurança para quem? Para quais investidores? Talvez multinacionais ou concessionárias com péssima prestação de serviço ao consumidor, pois o fato é que, dia 15 de outubro, a agência apresentou proposta para acabar com a liberdade do consumidor para gerar sua própria energia, então concluímos que o único que não foi contemplado com a segurança regulatória foi o consumidor, elo mais fraco da cadeia.



O ataque a pequenos empreendedores virou pauta de FAKE NEWS prol concessionárias, afinal querem proteger a todo custo os interesses dos monopólios dos grandes grupos econômicos que dominam as distribuidoras brasileiras. O consumidor sozinho e abandonado se pergunta: é papel da agência reguladora fazer campanha em prol do mercado de distribuidoras de energia? Inclusive com verbas públicas para marketing digital? Mas o plano vai além: tenta confundir a população afirmando que energia solar tem subsídios, mas quais? Onde estão? No site da Aneel, constam os subsídios às fontes de energia fósseis que penalizam o cidadão brasileiro. “Será que nós consumidores estamos prontos para pagar o “pato”? Pois tentar nos desinformar, afirmando que energia solar é mais cara que as termelétricas, parece piada, mas não é. Todos nós consumidores pagamos a bandeira vermelha e sentimos no bolso o alto custo das termelétricas, além de recebermos um péssimo serviço das concessionárias (e pra quem tem dúvida consulte o Reclame Aqui e veja o volume de reclamações paradas na própria Aneel, visto que não há solução). Pode haver um grande engavetamento de reclamações na agência. 

A pressa que a ANEEL tem para taxar o sol não é a mesma que a agência tem para multar as concessionárias, que atrasam milhares de projetos de geração pelo Brasil e nunca foram punidas por isso. Nós consumidores queremos saber quais os planos da ANEEL para tirar a conta dos subsídios aos combustíveis fósseis pagos por todos, da ordem de R$7 bilhões por ano. Esse sim é tema de interesse de todos consumidores, pois já aprendemos que o sol brilhante em nosso país pode ser a solução. Nos perguntamos novamente: por que a ANEEL ataca e propõe matar a energia solar distribuída no Brasil? Hoje pagamos bandeira vermelha em nossa conta de energia, porque não há água suficiente nos reservatórios das hidrelétricas. Logo, as termelétricas que queimam carvão e petróleo têm que funcionar por muito mais tempo, além, claro, dos geradores a diesel que geram eletricidade no norte do país. Quem paga essa conta? Todos pagamos. Sim, todos nós pagamos a energia mais cara e poluente. Por incrível que pareça, a escolha da ANEEL é essa, com números duvidosos e não acreditados, a agência e o Ministério da Economia decidem decretar a morte da energia solar distribuída e fechar questão com grandes grupos econômicos. Eles ignoram a matemática básica em prol das grandes usinas termelétricas e do subsídio para carvão e óleo diesel.



Diferente do que vem sendo pautado pela agência, é fácil provar que não há subsídio para energia solar distribuída. Já as bandeiras tarifárias