top of page

Crise na Gucci? Greve de funcionários revela tensões

Cerca de 40 funcionários entraram em greve esta semana: temem que a sua transferência de Roma para Milão seja, na verdade, "um despedimento coletivo disfarçado".

Cerca de 40 funcionários entraram em greve esta semana: temem que a sua transferência de Roma para Milão seja, na verdade, "um despedimento coletivo disfarçado".
©Gucci

Um movimento que envolve 153 funcionários de um total de 219

Esta é a primeira vez na história da marca. Os funcionários pararam suas atividades por quatro horas na segunda-feira, protestando contra a transferência imposta pela casa de moda. Em outubro passado, a marca carro-chefe do grupo francês Kering, anunciou que o escritório de estilo - aquele que imagina e gerencia todas as coleções - deixaria a capital italiana para se instalar em Milão. Um movimento que envolve 153 funcionários de um total de 219.


"A Kering quer aproveitar esta reestruturação para reduzir a força de trabalho e expulsar os funcionários que recebem condições insatisfatórias ou não podem sair de Roma porque têm suas famílias e filhos lá", disse à AFP a representante sindical da marca, Chiara Giannotti. É também o destino dos 66 funcionários que permanecem em Roma que preocupa os sindicatos. Estes últimos temem "um despedimento coletivo disfarçado".


Para acalmar os ânimos, a direção da Gucci emitiu uma nota explicando que a transferência foi "anunciada aos sindicatos no início de outubro" e que "não prevê nenhuma redução de pessoal". Acrescenta que a medida "será implementada em total conformidade com a regulamentação em vigor".


Uma atmosfera atormentada tendo como pano de fundo a reestruturação global da marca. Em julho passado, Marco Bizzarri, CEO da Gucci desde janeiro de 2015, anunciou sua saída. Um ano antes, o diretor artístico Alessandro Michele deixou a casa, substituído por Sabato de Sarno em janeiro de 2023. O objetivo é claro: impulsionar o crescimento da marca, que vem passando por uma certa desaceleração desde 2022, principalmente no mercado chinês, que foi fortemente impactado pela política de zero Covid.


Além desta reestruturação no coração da marca, o grupo pai Kering anunciou a nomeação de Francesca Bellettini, presidente e CEO da Yves Saint Laurent, como vice-presidente executiva da Kering, responsável pelo desenvolvimento de casas.


Artigo por Anaïs Clavell

Komentarze


bottom of page