top of page

De vendedora às passarelas da SPFW, modelo representa a força da mulher negra

Miriam Santiago tem trajetória inspiradora e desfilou na comemoração dos 50 anos da Ellus.

O lance não é papo de vendedora não! A história é real e um exemplo de que sonhos podem sim virar realidade, mesmo com tantos sacrifícios no meio do caminho. Não bastava só a beleza, mas a persistência foi a mola-mestra para a virada profissional da modelo Miriam Santiago, que foi de vendedora às passarelas da São Paulo Fashion Week – SPFW, representando e comemorando no último fim de semana, os 50 anos de uma das maiores marcas presentes no país e conhecida internacionalmente, a Ellus.


A modelo de 30 anos, negra, natural de Campo Grande/MS, formada em Design de Moda, tem uma trajetória que serve de inspiração para muitas jovens mulheres que sonham em conquistar espaço no mundo fashion ou em qualquer outro segmento. Miriam chegou em São Paulo aos 25 anos com o sonho de cursar faculdade de moda. Na época, era uma realidade muito distante para ela, mas o que não faltou foi coragem.


Miriam conta que veio de uma família humilde e trabalhava em Campo Grande como recepcionista de um hospital. Como seguia regime de plantão e tinha um tempo livre, começou a pesquisar universidades com bolsa para cursar moda em São Paulo. Ela chegou na cidade em ônibus de sacoleira para fazer a prova de bolsista. Dias depois, recebeu um e-mail confirmando a bolsa de 80% de desconto.


Na hora não pensei em mais nada e pedi à minha gerente para me demitir e ter o seguro-desemprego. Ela concordou e fui para São Paulo com apenas 200 reais no bolso e com um contato de aluguel de um quarto no extremo Leste. Passei um tempo só estudando, mas um mês antes do seguro acabar, levei meu currículo na Oscar Freire, e foi aí que fui contratada como vendedora da Ellus”, lembrou a modelo.

 

Novos trabalhos e representatividade

O primeiro trabalho de Miriam Santiago como modelo foi um desfile do Atelier Mariana Biasi. Como o mercado fashion ainda não era viável e precisava de dinheiro, a modelo resolveu explorar mais o mercado comercial. Daí para frente, trabalhou para diversas marcas como: Eudora, Avon, Natura, Arezzo, C&A, Carrano, entre outras, e recentemente, fez uma campanha de peso para a Renault.  


Na SPFW, essa foi a terceira vez que desfilo, sendo um trabalho ainda mais especial por representar a Ellus na comemoração dos seus 50 anos, que foi o lugar que me acolheu e onde tudo começou. Sinto e vejo o quanto o mercado vem crescendo, não só com representatividade racial, mas também de pessoas, corpos, cores e etnias. É claro que ainda há muito para melhorar, mas, me sinto otimista porque nas passarelas do Brasil a diversidade está cada vez mais presente e sou muito grata por isso”, ressaltou a modelo, que também integra o projeto Sankofa, que visa a inclusão racial na moda brasileira.


A modelo Miriam Santiago diz que para o próximo ano pretende se aprofundar no universo fashion e se dedicar ao audiovisual, explorando seu lado atriz. Para finalizar, ela ainda destaca sua motivação em seguir seus sentimentos para conquistar esse lugar e aconselha as mulheres pretas que dividem do mesmo sonho a não desistir.


Tudo isso representa uma grande conquista para mim. Da criação e do lugar de onde vim, essa era uma realidade bem distante. Queria ser modelo e atriz e durante um tempo esse sonho foi enterrado por conta de questões religiosas da minha família, que acreditava que tudo era pecado, mas isso só fez crescer ainda mais minha paixão por esse universo da moda. Chegando em São Paulo, me libertei de tudo isso. O sonho é algo que ninguém pode tirar de você e quando é realizado, a sensação é de algo mágico. Fui encontrada em um evento de moda por uma agência renomada. Para meus irmãos, que não têm a mesma oportunidade que eu tive, peço que nunca parem de sonhar”, acrescentou.  

Por Verônica Côrtes


Yorumlar


bottom of page