• VAM Editoria Executiva Magazine

Dr. Rhoger Felipe: Ginecologista Obstetra fala sobre os cuidados com a saúde da mulher


“Se formos pensar no assédio sexual, a mulher pode sim apresentar sinais mais expressivos, que podem ser notados e abordados no consultório..” — Dr Rhoger Felipe para Deise Dantas – Colunista VAM Magazine



O universo feminino é amplo e requer cuidado e gentileza ao ser abordado. Vivemos em uma sociedade que caminha a passos lentos – mas caminha – para o amanhecer de novos pensamentos e tratamentos tanto clínicos como psíquicos para as mulheres.

Tais mudanças estão presentes em tudo que envolve o indivíduo MULHER. Nesta edição de dezembro, conversamos com o ginecologista o Dr. Rhoger Felipe M. Czekalski, para falar um pouco sobre sua escolha na área e como ele vê essas transformações.

A cada pergunta ele disserta com sensibilidade sobre os pontos abordados, apontando os desafios e as conquistas do sexo feminino e faz o alerta sobre a importância do autoconhecimento.

A área da ginecologia sempre foi sua opção de especialização? O que o motivou a ser ginecologista?

Quando entrei no internato (nos dois últimos anos da faculdade) tinha ideia de ser cirurgião do aparelho digestivo! No entanto, ao iniciar o estágio de ginecologia e obstetrícia, me apaixonei pela possibilidade de optar por uma especialidade que abrangia uma parte clínica e uma parte cirúrgica. Hoje, em consultório, trabalho apenas com ginecologia bem mais voltada à cirurgia minimamente invasiva, assoalho pélvico e ginecologia estético funcional. Mas confesso que não abri mão dos meus plantões esporádicos de emergência em obstetrícia, que também é uma paixão!

Ainda existem tabus sobre a saúde íntima da mulher?

Com certeza! Não há dúvida que vivemos em uma sociedade onde a mulher precisa lutar muito para conquistar o seu espaço. Sem dúvida alguma, já evoluímos muito, mas é inegável que as mulheres ainda precisam provar muita coisa, mesmo sendo óbvia a sua capacidade! No campo da saúde e da sexualidade feminina não é diferente, os mesmos conceitos arcaicos ainda estão enraizados, até mesmo entre as próprias mulheres.

Sabemos que a mulher precisa fazer acompanhamento ginecológico ao menos uma vez no ano, mas diante da defasagem da saúde pública, há dificuldades nesse acesso. Para você, qual seria a melhor saída para a mudança desse quadro?

As rotinas e protocolos em ginecologia são atualizados e mudam constantemente. Inicialmente, pedimos um acompanhamento anual a partir do início da vida sexual, depois podemos espaçá-lo, de acordo com o perfil de cada paciente.


Os processos pelo SUS podem ser um pouco mais complicados em alguns municípios, o que pode levar algumas mulheres a buscarem acompanhamento em consultórios particulares. A meu ver, o SUS cumpre o que propõe quanto à saúde feminina para a grande maioria das mulheres alcançadas pelas estratégias do sistema, o problema, muitas vezes, está ligado à falta de informação e consciência!

Como um ginecologista lida com vítimas de assédio? Há um estudo para o cuidado com essas pacientes?

Como dito anteriormente, ainda há muitos desafios a serem superados na nossa sociedade. O caminho é longo, mas os avanços também já são importantes, apesar de ínfimos ainda! Acredito que no caso das mulheres, o assédio é presente quase o tempo todo: em casa, no trabalho, na rua, nos meios de comunicação. Portanto acho que o profissional ginecologista deve ser sempre acolhedor, aberto ao diálogo e informativo durante as consultas. Se formos pensar no assédio sexual, a mulher pode sim apresentar sinais mais expressivos, que podem ser notados e abordados no consultório.

A mulher brasileira, de um modo geral, conhece o próprio corpo? Você encontra dificuldades ao abordar esse tema com as suas pacientes?

De forma geral, infelizmente não.  Vejo diariamente dificuldades consideradas mínimas a todas as mulheres, como o autoexame da mama, a localização do clitóris e a prática da masturbação. Não sendo repetitivo, mas a sexualidade feminina é um tabu social em todos os sentidos. Não é à toa que não vemos muitas propagandas sobre prevenção feminina se quer na relação sexual entre mulheres. Isso dificulta tudo, torna tudo “meio que proibido” e até “errado”, o que torna o papel do ginecologista ainda mais importante. Falar sobre sexo, libido, orgasmos, explicar sobre possíveis alterações na genitália e auxiliar no aprendizado sobre o autoexame é, sem dúvida alguma, uma grande oportunidade de conscientizar esta, e as futuras gerações de mulheres.

Mais informações: Aqui

#Dezembro #VAMMagazine #Saúde #DrRhogerFelipe #Entrevista

Contato: antonnio@vammagazine.com.br

Endereço: Honório Magno, 290. RS-SM

Telefone +5555997127649

  • Instagram

©2021 por VAM Magazine. Orgulhosamente criado com Wix.com

Formulário de Inscrição

Este site foi criado com o objetivo de Popularizar a moda em seus segmentos e de forma consciente.

Edições da VAM Magazine na plataforma estão disponíveis para acesso.

Nossa equipe de apoiadores e parceiros agradecem por você estar conosco!

Revista digital, desde 2019.

20191019121420_4742995258.png