Danni Suzuki dirige vídeo com crianças e adolescentes para ajudar refugiados e migrantes venezuela..

A atriz e diretora se junta ao time de voluntários do projeto Mi Casa, Tu Casa • Minha Casa, Sua Casa do jornal Joca em parceria com o ACNUR e a organização internacional Hands On Human Rights. O objetivo é arrecadar cartas, livros e recursos para construir pelo menos 13 armários-biblioteca no estado.

Kauai, filho da atriz Danni Suzuki, integra campanha ao lado de outros filhos de famosos

São Paulo, 9 de junho de 2021 ― Conhecida por sua extensa atuação em prol dos refugiados, a atriz e diretora Danni Suzuki juntou-se ao time de voluntários do projeto Mi Casa, Tu Casa • Minha Casa, Sua Casa, promovido pelo Joca, primeiro jornal infantojuvenil do Brasil, em parceria com o ACNUR, Agência da ONU para Refugiados, e a organização internacional Hands On Human Rights, especializada em Direitos Humanos.

O projeto tem como meta promover a integração e o acolhimento de crianças e adolescentes vindos da Venezuela em situação de refúgio. Para isso, serão construídos pelo menos 13 armários-biblioteca com livros infantojuvenis (em português e espanhol) em abrigos e/ou outros locais de Roraima que sirvam de acolhida a esses refugiados e migrantes. O projeto também prevê a troca de cartas entre jovens brasileiros e refugiados e migrantes venezuelanos. (Para mais informações sobre o projeto Mi Casa, Tu Casa • Minha Casa, Sua Casa visite: conteudo.jornaljoca.com.br/mi-casa)


De forma voluntária, Danni Suzuki dirigiu um vídeo com 19 crianças e adolescentes em que eles explicam a importância de acolher esses jovens refugiados e migrantes da Venezuela e pedem para que adultos, crianças e adolescentes em todo o país contribuam doando livros infantojuvenis, escrevendo cartas e participando do crowdfunding criado pela atriz e diretora junto com o jornal Joca para cobrir as despesas do projeto (link para o crowdfunding: vaka.me/2137666).


O vídeo, de cerca de 2 minutos, reuniu gravações feitas por crianças e adolescentes de forma remota e mobilizou filhos de famosos como Letícia Spiller, Juliana Knust, Carlos Bonow, Patricia Thomaz, Igor Rickli e Aline Wirley. O material foi lançado nas redes sociais de Danni Suzuki em 8 de junho.


Instagram da Danni Suzuki: @danisuzuki

Instagram do Jornal Joca: @jornaljoca


“A educação e a arte são ferramentas fundamentais para ajudar no resgate e no desenvolvimento de jovens e crianças que passam por um processo doloroso e delicado como o de refúgio”, diz Danni Suzuki. “A ideia desse vídeo é promover a solidariedade entre as crianças do Brasil e as que chegam da Venezuela. A doação de livros e a troca de cartas são meios poderosos de demonstrar empatia e acolhimento”.


A atriz e diretora já esteve nos abrigos em Roraima e na fronteira com a Venezuela dirigindo seu documentário “SOS” sobre crianças refugiadas.


Metas Para cumprir a meta de construir pelo menos 13 armários-biblioteca em abrigos e outros locais de acolhida a refugiados e migrantes vindos da Venezuela em Roraima, jovens de escolas públicas e particulares de diversos estados têm se mobilizado para angariar livros, cartas e recursos. Até o momento, já foram arrecadados mais de 20 mil livros, extrapolando as metas do projeto, quase 1.400 cartas e mais de 50 mil reais em doações (o status das metas do projeto Mi Casa, Tu Casa • Minha Casa, Sua Casa podem ser acompanhadas no site conteudo.jornaljoca.com.br/mi-casa).


“Os jovens são os grandes protagonistas desta causa humanitária”, diz Stéphanie Habrich, fundadora do jornal Joca. “Quando eles entendem que podem fazer algo para mudar a realidade, grandes transformações acontecem. O vídeo dirigido pela Danni Suzuki é prova disso. Crianças e adolescentes de diferentes culturas e condições sociais e econômicas estão se unindo num esforço para acolher os refugiados e migrantes venezuelanos. Isso é inédito no Brasil.”

Segundo o ACNUR, mais de 7.200 pessoas vivem atualmente em 13 abrigos espalhados pelo estado de Roraima, a esmagadora maioria vinda da Venezuela. Quase um quarto desses refugiados e migrantes (23%) são mulheres chefes de família; 18% são crianças, com idade entre 0 e 11 anos (os dados são de maio de 2021).


“A partir do momento em que os jovens se reconhecem como cidadãos ativos em uma sociedade, qualquer diferença sobre nacionalidade, religião ou cultura desaparece”, diz Edgard Raoul, conselheiro da Hands On Human Rights. “A grande força de um projeto como o Mi Casa, Tu Casa está em mobilizar crianças e adolescentes. Eles não têm medido esforços para arrecadar livros, cartas e doações na tentativa de acolher esses refugiados e migrantes venezuelanos”.

O projeto Mi Casa, Tu Casa • Minha Casa, Sua Casa conta ainda com o apoio do UNWOMEN, entidade das Nações Unidas para promover igualdade de gênero e empoderamento das mulheres, do UNFPA, Fundo de População das Nações Unidas, da Fraternidade sem Fronteiras, da AVSI, organização dedicada à melhoria das condições de vida de pessoas que vivem em situações de vulnerabilidade ou emergência humanitária, e do Instituto Pirilampos.


Como participar ― O projeto do jornal Joca incentiva que seus leitores, escolas e outras instituições participem da arrecadação de livros, que podem ser enviados para a sede da Editora Magia de Ler, responsável pela publicação do jornal, até 30 de junho. (Mais informações no site: conteudo.jornaljoca.com.br/mi-casa)

O Joca ainda convida os participantes a escreverem uma dedicatória às crianças e jovens venezuelanos nos exemplares arrecadados, bem como cartas que contem um pouco sobre os costumes e cultura de sua região, com a intenção de compartilhar experiências e integrar brasileiros e venezuelanos.

As doações financeiras para cobrir as despesas do projeto, como a logística para a entrega dos livros e os materiais necessários para a montagem dos armários-biblioteca, transporte e alimentação da equipe envolvida podem ser feitas diretamente na conta da organização internacional Hands On Human Rights (para os residentes no Brasil) e no Paypal da organização (para quem reside fora do Brasil) até o dia 31 de agosto: bit.ly/paypal-hands-on. Mais informações no site: conteudo.jornaljoca.com.br/mi-casa.


Também é possível doar pelo crowdfunding virtual criado pela atriz e diretora Danni Suzuki em parceria com o jornal Joca e a organização internacional Hands On Human Rights no site vaka.me/2137666

Sobre o jornal Joca ― O Joca é um jornal produzido especialmente para o público infantojuvenil. Fundado em novembro de 2011 por Stéphanie Habrich, em São Paulo, foi o primeiro e é até hoje o principal veículo brasileiro no setor, trazendo notícias e atualidades para crianças e adolescentes.

Desenvolvido pela editora Magia de Ler, o jornal Joca foi criado com o objetivo de fornecer conteúdos de qualidade, com linguagem de fácil entendimento, para que pudesse informar crianças e jovens de forma lúdica e divertida, desenvolvendo o senso crítico, por meio do jornalismo imparcial.

Com quase 10 anos de existência, o jornal Joca tem como princípio trabalhar a Educação Midiática, levando informação de qualidade e o debate sobre o que acontece no mundo para o público infantojuvenil de escolas públicas e particulares em todas as regiões do Brasil.