Seca histórica castiga o bioma do Pantanal

AMPARA ganha vaquinha virtual para salvar os animais.


A vegetação do Pantanal sofre, cada vez mais, com as mudanças climáticas, a estiagem e os incêndios criminosos na região. É normal ocorrer a vazante (períodos de seca que baixam os níveis de água) entre os meses de maio a setembro. Porém, o fenômeno começou antecipadamente este ano e os animais têm enfrentado uma constante luta pela vida.

Para continuar salvando milhões de animais, a OSCIP AMPARA Silvestre e a Voaa, site de vaquinhas do Razões para Acreditar, lançaram uma campanha virtual para arrecadação de fundos. A vaquinha tem como objetivo construir a sede da AMPARA no Pantanal e ajudar a organização com a compra de remédios e comida, além de custear o tratamento de dezenas de animais doentes ou feridos.


Mais de 262 mil hectares já foram queimados no Pantanal e a atual seca intensa é apontada como a quinta pior da história da região. Em entrevista à Agência Brasil, o pesquisador e meteorologista do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN), Giovanni Dolif, destacou que este mês a região registrou o menor déficit de chuva do que no mesmo período de 2020, de acordo com o Índice Integrado de Seca (IIS).


A AMPARA iniciou as operações no Pantanal no ano passado e atuou não somente no resgate e reabilitação de animais durante o período de emergência, mas, também, ao longo dos meses seguintes. Sem recursos para continuar o trabalho, este ano a organização precisa angariar fundos para conseguir resgatar os animais e atendê-los devidamente.

“O valor arrecadado com a vaquinha de 2020 manteve a AMPARA operando por alguns meses após os incêndios no Pantanal. Porém, sem investimento constante a operação não se viabiliza, por isso estamos lançando nova campanha neste período crítico de secas. A prestação de contas está disponível no site da AMPARA, pois o trabalho foi realizado com muita transparência“, declara Lisane Andrade, Diretora de Operações da Voaa.


A logística para o resgate dos animais é um dos maiores desafios da organização, pois eles percorrem mais de 100km em estrada de terra. A rotina começa logo cedo, todos os dias e só termina após às 22h. O investimento em combustível (carro e barco) gera um dos gastos mais altos da operação, por isso precisam construir uma sede local.

"O processo de reabilitação de animais silvestres é longo e exige tratamentos específicos para cada espécie. Os animais adultos recuperados são reintroduzidos mais rápido na natureza. Já os filhotes órfãos que são resgatados, após a recuperação, demoram em média 2 anos para voltarem para o habitat natural", explica Jorge Salomão Jr., responsável técnico e veterinário da AMPARA Silvestre.

Na última campanha com a Voaa, a ONG resgatou mais de 400 animais vítimas dos incêndios no Pantanal e contou com uma equipe de 45 profissionais, que atuaram em diferentes bases realizando atividades de resgate, cirurgias, manutenção de recintos, limpeza e distribuição de água. Eles conseguiram 288 toneladas de alimentos e mais de 7 milhões de litros de água, e toda essa alimentação contribuiu para a sobrevivência da fauna. Para contribuir com campanha, é só acessar: https://voaa.me/ampara-pantanal.