Capa: CHAMELEO fala sobre seu primeiro álbum “ECDISE”

CHAMELEO além de estar na capa da revista VAM Magazine, hoje a noite vai estar presente no São Paulo Fashion Week a convite do nosso editor chefe junto ao designer brasileiro Walério Araújo

O cantor pop tem referências conceituais fortes e impecável linguagem de moda e fotografia. Com mais de 6 milhões de views em seu canal no Youtube e mais de 130 mil ouvintes no Spotify, o cantor está em constante transformação, fazendo jus ao seu nome artístico que faz referência ao camaleão, com suas várias mudanças de cor para sua fácil adaptação.

Em sua Nova Era, o artista mostra sua eterna metamorfose, sempre pronto para novas descobertas, permitindo-se ao novo, ao desconhecido.


CHAMELEO apresentou o seu primeiro álbum, mostrando a troca de pele de CHAMELEO por uma nova, como uma regeneração. Esse processo transformador na Biologia é conhecido como "ecdise", por isso tal título no álbum do artista. ECDISE chegou às plataformas de streaming no dia 21 de outubro e vem para carimbar a qualidade artística do cantor independente, com visão sensível e enorme potência vocal. Com parcerias de sucesso já lançadas como Pabllo Vittar e Carol Biazin, CHAMELEO apresenta uma tracklist de respeito, com muita diversidade. Com o total de 13 faixas, o álbum traz 6 feats, sendo dois já lançados, em “frequente(mente)” com a cantora Pabllo Vittar e em “Enigma” com a Carol Biazin. O álbum apresenta singles com histórias vividas por CHAMELEO, abrindo diálogos necessários, sobre aceitação e representatividade e apresenta estilos variados do pop ao rock em músicas solo e em parcerias com gigantes da música mundial. Pabllo Vittar, Carol Biazin, Johnny Hooker, Alice Caimmy, Konai e Number Teddie compõe a playlist de ECDISE.


Leia a seguir a entrevista exclusiva com o editor chefe Antonnio Italiano, e veja as fotos:

Capa de MAR+VIN, e matéria SCOZ (visualizers)

VAM: CHAMELEO, vamos começar a entrevista falando sobre a sua infância. Como foi o seu processo do descobrimento da arte, tinha quantos anos? Como foi o incentivo dentro da sua casa? E de quem você era fã na infância?

Eu tive o privilégio de sentir o gostinho de estar em cima de um palco aos 7 anos, foi quando entrei no teatro com muita insistência a minha mãe, pois estava aflorando e eu precisava trazer para fora toda aquela criatividade e urgência de botar para fora mesmo. Foi bem cedinho mesmo, com sete anos.

Minha referência quando criança, putz, vai desde Britney, Pussycat Dolls, Avril Lavigne, também coisas que o pai escutava como Elis Regina, e sempre tive meu gosto musical bem eclético, desde que eu me lembro por gente.


VAM: Conte para mim quando e como foi que houve a sua identificação com a sigla LGBTQIA+?

Eu sempre senti que eu era diferente, mas acho que foi um processo, o fato de eu ter entrado no teatro tão cedo, de ter convivido desde criança com pessoas da nossa sigla, da nossa comunidade, penso que ajudou o meu processo ser natural. Foi aos 13 anos que tive minha primeira experiência.


VAM: “ECDISE” foi lançada recentemente nas plataformas de streaming e ao seu lado estão vozes nacionais incríveis como Alice Caimmy, Konai e Number Teddie, Johnny Hooker, Carol Biazin e Pabllo Vittar. A composição total levou quanto tempo para ficar ao seu jeitinho? E qual é a sua música favorita, porque?

Então, acredito que uns 10 meses ao todo, entre ter a ideia realmente de fa