Capa: Gabriel Fuentes nas telinhas e na vida pessoal

Mineiro de Pedro Leopoldo, ele já vendeu sanduíches, trabalhou em lobby de teatro, morou em cortiços e fez de tudo para chegar a ser a nova promessa da TV Globo em “Nos Tempos do Imperador” depois de protagonizar “Malhação”. Gabriel Fuentes escolheu o Rio de Janeiro como sua casa e faz sucesso como o bom vivant na novela.

Gabriel é vegetariano, praticante de esporte, em busca de autoconhecimento sempre, medita e faz Yoga, e ainda foi abraçado absurdamente pela publicidade nacional e internacional com muitas histórias para contar nas telinhas e na vida pessoal.


Para essa edição da VAM Magazine de final de ano, convidamos Fuentes para conversar com Antonnio Italiano, editor chefe da revista sobre seus próximos passos profissionais, vida pessoal e muito mais!


Leia a entrevista exclusiva a seguir:


VAM: Gabriel, como a sua vida de ator começou? Foi em Pedro Leopoldo (MG) que você teve o seu primeiro contato com a arte? O que fez você ir embora para o Rio de Janeiro?

Costumo dizer que desde pequeno tenho contato com a arte, mesmo não tendo artistas na família e vindo de uma cidade pequena. Minha criatividade foi sempre muito aguçada. Minha avó costurava as roupas dos personagens que eu inventava, e nada foi podado pela minha família, e sempre muito estimulado até.

Quando eu decidi e entendi que queria ser ator como profissão e ir para o Rio de Janeiro, sabia que não seria fácil, mas recebi apoio da minha mãe, da minha avó e de todos. Saí com pouquíssimo dinheiro no bolso, trabalhei em mil situações que só me fizeram dar valor ao que tenho para chegar até o lugar que estou hoje, que é o início ainda. Toda essa trajetória de muito trabalho só me fez dar valor ao meu ofício e me deixar sempre com os pés no chão.


VAM: Vamos falar de Malhação, relembre um momento de bastidores que guarda até hoje em sua memória desse trabalho na TV Globo:

Acho que tudo ali foi novo. Se eu não tivesse passado por “Malhação”, não estaria em “Nos Tempos do Imperador”. Mas a troca com a mãe do Érico, Ana Paula Bouzas, grande atriz, a fase no presídio, as fases dramáticas... Foi um personagem denso para uma novela adolescente e contemporânea que vai ficar guardada comigo sempre. Com certeza um grande aprendizado.

VAM: Com esses cachos lindos, que o fizeram ser o único brasileiro a ser embaixador de uma das maiores marcas de cabelos do mundo, a Pantene, ao lado de Marina Ruy Barbosa, Camila Queiroz e Gisele, então me conte como cuida do seu cabelo? Você tem algum segredo de beleza?

Olha, hoje estou sem cachos (risos), mas sinceramente? Me senti lisonjeado pelo convite, mas não acho que fui escolhido somente pelos cachos, por mais que tivesse muito cuidado com eles. Acredito que fui escolhido por tentar mostrar aos meus seguidores como é bacana ser quem é, se cuidar sendo homem, fazer exercícios, se ligar na beleza, para si mesmo, e não para os outros. Minha filosofia de vida é essa. Eu malho, por exemplo, porque me faz bem, não pra ter o corpo perfeito. E acho que isso contou na minha escolha para a marca de cabelos. E me sinto muito feliz em ser um canal de inspiração para quem me acompanha.

Claro que estar ao lado de grandes nomes é maravilhoso. Mas, pra mim, ser essa pessoa que mostra que estar bem consigo mesmo, ter autoestima, não tem preço.

4. “Nos Tempos do Imperador”, novela da TV Globo, você deu vida ao personagem “Bernardinho”, e nesse processo de pandemia e produção de arte, o que você aprendeu e tomou de lição para a vida? E como aconteceu o convite para esse personagem?

Bom, vou por partes. O convite para o teste aconteceu enquanto eu ainda gravava “Malhação – Vidas Brasileiras” pela produtora de elenco Márcia Andrade. Quando eu iria começar meu workshop e gravações, tudo parou em função da pandemia e ficamos dois anos parados.

Acho que esses dois anos, por mais que tristes para nossa classe e para o mundo inteiro, foram importantes. Estudei muito para o personagem, aprendi a lidar com a ansiedade e muito mais sobre autoconhecimento, algo novo que estou podendo passar um pouquinho também. E entendi que tudo que é meu chega até mim, claro que eu fazendo o meu melhor para. Aprendi a não ser tão ansioso também e me dedicar mais a yoga, meditação...

VAM: Onde você quer chegar com o seu trabalho? Qual o seu sonho de carreira?

Não quero parecer pedante nessa resposta. Prefiro dizer que minha vida é pautada em focos e objetivos e tenho certeza que vou concluí-los. Não sou uma pessoa que gosta de antecipar as coisas... (risos)

VAM: Gabriel, o que é ser galanteador para ti? Se considera um?

Não... Acho que essa palavra nem se usa mais nos tempos que vivemos. Mas se fomos modernizá-la, acredito que sei conquistar quando eu quero. Mas sei e gosto de ficar sozinho, então tem que valer a pena pra mim e ela tem me acrescentar em vários aspectos... Me fazer rir também é legal.

VAM: Como o vegetarianismo começou na sua vida? E como influencia ao seu redor nessa conscientização?

Já não como carne vermelha há 10 anos. Comecei tirando a carne por conta de uma promessa que fiz para minha avó que estava com uma doença, e graças a Deus ela se curou, então tirei a carne de porco. Como eu venho de uma família com uma cultura muito carnívora, eu fui entendendo, pesquisando, me aprofundando e fui parando naturalmente. Assim já são 10 anos que não como nenhuma carne vermelha e há um ano que não como nenhuma carne branca. É uma filosofia que sou completamente consciente. Não só pelos animais, mas também pelo planeta. E quanto mais a gente se aprofunda nessa filosofia, mais entende o impacto que isso faz, não somente na minha vida, no meu organismo, mas no planeta em si, ao todo.

Sobre influenciar, foi sem querer. Fui postando aos poucos por gostar muito de cozinhar, e aí as pessoas começaram a perguntar...

VAM: “Na cozinha com Fuentes” surgiu após uma viagem sua com o seu empresário Felipe Carauta para Nova York, conte mais sobre essa sua paixão pela cozinha e como tudo isso aconteceu?

Na verdade, eu e o Carauta (Felipe), meu empresário, trocamos muito. Temos mil projetos no papel. E é o segredo do nosso trabalho. Em Nova York, não tivemos tempo de pensar muito nisso, pois estávamos envolvidos em campanhas, fotos, etc.

“Na Cozinha com Fuentes” surgiu no início da pandemia. Quando a novela tinha parado e em uma de nossas conversas, quando eu estava na casa da minha família, ele sugeriu essa ideia por causa do pedido dos fãs no meu instagram em função das receitas que eu já estava postando genuinamente. Eu já tenho esse amor em cozinhar para mim, para os outros, e a graça do programa é passar receitas fáceis e mostrar que ser vegetariano não é tão difícil como parece. O projeto não só deu certo, como várias empresas nos procuraram, e querem estar com a gente em novidades que não posso revelar para 2022.

VAM: E a mente como se alimenta? Como cuida da saúde mental Gabriel?

Nunca esteve melhor. Como disse, a pandemia me ajudou no autoconhecimento. Aprendi a me conhecer muito mais e quero cada vez mais passar isso pra frente. Leio muito sobre, medito, faço yoga, exercícios, ouço meditações de pessoas que trabalham com isso... Tenho entendido o quão isso é importante pra nossa vida no todo, e como a saúde mental está totalmente ligada com a física e com todo o resto.

VAM: Na moda, qual o seu sonho fashion? Já realizou algum?

Na moda, sou muito eclético. Já comprei uma bota super cara em Nova York, mas também amo um brechó. Moda pra mim é atitude, é se sentir bem com o que veste e mostrar aquilo que você é. Pra mim, moda é uma forma fortíssima de arte sem precisar falar nada. Por isso minha paixão e talvez por isso tenha sido abraçado por ela.

VAM: Gabriel, como você vê a influência nas redes sociais? E como lida com a fama, dinheiro e vida pública?

Simplesmente não ligo. Claro que, preciso ter cuidado com o que posto, óbvio. Mas acho que por eu ser genuíno e postar somente aquilo que gosto, acredito, que me inspira que demonstre a minha realidade naquele momento, que se torna tão real para quem me acompanha.

Não sou ligado à fama. Já passei por muita coisa nessa vida. Já vendi sanduíches, fui assistente de cozinheiro... Sei fazer meu trabalho da melhor forma e lido como um ofício, nada além, assim como qualquer outro.

Na vida pública, procuro ser o mais discreto possível e deixar meus personagens serem maiores do que eu.

VAM: De quem você sente orgulho do Brasil e porquê?

Sinto orgulho do brasileiro. Que não perde a fé e batalha todos os dias.

VAM: E me conte quais os planos para o seu 2022?

Como adiantei, não gosto de falar do futuro. Mas sei que 2022 vai ser um ano de colher muito do que foi plantado esse ano.


BATE-BOLA

O que é amadurecimento para você?

Não ser tão ansioso e saber dizer o que eu quero.

Qual(is) o(s) nome(s) da(s) sua(s) saudade(s)?

Sinto muita saudado meu avô, Fernando.

Uma música que define a sua vida agora?

Passiflora, do Rael.

Sua dica de saúde?

Muita água sempre.

Você está amando? Como seria um date perfeito?

Me amando. Mas uma trilha pra cachoeira seria uma boa, hein?

Recebe ou envia nudes?

Eita, se recebo... haha

Qual a sua maior conquista deste 2021?

Meu autoconhecimento, paz interior e meu Bernardinho.

Porque aceitou o convite da revista VAM Magazine para ser capa? E qual a sua mensagem para quem ler essa matéria exclusiva?