Mateus Carrilho fala sobre novo disco em 2022, preconceitos na infância, feat com Anitta e mais...

Mateus Alencar Carrilho de Castro, mais conhecido por seu nome artístico Mateus Carrilho, nascido em Goianésia, interior do estado de Goiás, sempre se imaginou as frentes das câmeras da televisão. Desde a infância, chamava atenção pela sua facilidade em criar histórias, montando, com objetos de casa, cenários de programas de TV onde ele mesmo era o apresentador, com a câmera emprestada do tio Mateus produzia filmes caseiros, videoclipes e programas, ele mesmo dirigia e editava suas produções, inclusive na escola entregava seus trabalhos como filmes, com autorização dos professores.

Entrevista Antonnio Italiano

Depois de perceber o talento e comprometimento de Mateus seu tio parcelou uma câmera nova e lhe deu de presente como forma de incentivá-lo a seguir seu sonho, aos 12 anos gravou uma de suas composições enviada para o um concurso do Disney Channel e chegou a ser finalista de um concurso da extinta Talentos Brilhantes. Mas Goianésia ficou pequena para o tamanho do talento de Mateus então decidiu partir para capital do estado, Goiânia e encarar novos desafios iniciou o curso de “XXX” mas no último período da faculdade resolveu abandonar para seguir seu sonho, e o menino que brincava de fazer programa de televisão ficou conhecido em um outro palco, o palco da música. Em 2011 Mateus ficou conhecido pelo público por integrar a Banda Uó, alcançando rapidamente o sucesso, com talento e autenticidade, dentro do cenário musical.


O single “Shake do Amor”, uma versão tecnobrega de “Whip My Hair”, da cantora Willow Smith, despontou marcando presença em diversas playlists musicais. A partir daí, lançaram o EP “Me Emoldurei de Presente Pra Te Ter” e dois álbuns: “Motel” e “Veneno”.


Em 2017, os integrantes decidiram partir para novos rumos em carreira solo e lançaram “Tô Na Rua” como forma de agradecimento ao público pelos sete anos juntos. No mesmo ano, Mateus foi convidado a participar do single “Corpo Sensual”, de Pabllo Vittar, que conta com mais de 70 milhões de streams e 317 milhões de views no youtube. Já em 2018, lançou “Privê”, atingindo 8 milhões de visualizações no Youtube e 10 milhões de streams nas plataformas digitais. Em seu primeiro ano se dedicando a carreira solo, foi presença garantida nos principais festivais de música POP no país, como Lollapalooza Brasil e o Hopi Pride. Além de se apresentar no Prêmio Multishow e participar do MTV Miaw.


Se destacando na edição do prêmio Men Of The Year, da GQ, como um dos mais bem vestidos e esse amor pela moda se desdobrou na direção criativa de uma coleção cápsula de bolsas e pochetes com a marca O Jambu. Ao lado de Tainá Costa lançou, em 2019, sua música autoral “Toma”. Em 2020, chegou “Inimigo do Fim” e o convite para participar de “Chega”, com Duda Beat e Jaloo. Faixa se tornou single de platina, com enorme sucesso. Além do EP “Não Nega", o cantor lançou o projeto “Dose Dupla” com duas faixas e videoclipes: “Motor Acelerado” e “Inimigo do Fim”. Para 2021 o cantor iniciou sua serie de lançamentos com o Single “Pancada” em parceria com a rainha dos fluxos MC Dricka.


O single composto por Mateus e Dricka, traz uma paixão avassaladora numa balada nos relembra com saudade como era bom os encontros e paqueras nas pistas de dança. Em seu terceiro ano de carreira solo, Mateus se destaca cada vez mais por sua inovação nos trabalhos, além de excelente performance e engajamento do público. O cantor acumula mais de 500 milhões de streams nas plataformas e seus clipes já somam cerca de 45 milhões de views. Quer conhecer ainda mais esse artista brasileiro? Leia a seguir a entrevista exclusiva de Mateus Carrilho para a VAM Magazine de dezembro.

VAM: Foram muitos anos com a Banda Uó, o que você traz desta trajetória para sua vida hoje?

Tudo que eu aprendi sobre fazer música, indústria, show e coisas relacionados a esse universo foi a banda uó que me trouxe, quando a gente surgiu o pop nacional era um lote abandonado. Muito do que acontece hoje a gente já tava fazendo à 7, 8 anos atrás. Aprendemos fazendo.


VAM: Mateus, como foi o início do incentivo a arte na sua casa? Desde que idade você canta e sabe que seria esse o seu futuro, como foi esse processo de “trabalhar com arte” dentro de casa?

Fui incentivado desde muito novo, eles sempre me deixaram muito livre, mas ao mesmo tempo meus pais não tiverem essas oportunidades, não posso dizer que eles não eram artistas, foi falta de oportunidade mesmo, eu fui pro teatro amador muito novo por incentivo da minha mãe, e minha primeira professora de canto na infância também foi incentivo dela. Meu pai era muito entusiasta, queria ter filho cantor.


VAM: Onde você quer chegar com a sua música? Qual o seu objetivo de carreira?

Eu quero abranger, quero que ele se espalhe, eu faço um som super popular, acessível, mas isso não é um objetivo, é um desejo mesmo. Eu tô fazendo o que eu amo, o que me faz feliz, o resto é consequência.


VAM: Como é o seu processo criativo?

Eu amo criar, tenho ideias o tempo todo, componho o tempo todo, mas eu já entendi que preciso estar feliz, de bem com tudo, quando é assim, as ideias brotam.

VAM: Carrilho, Glória Groove participou da sua música “Noite de caça”, conte para a VAM Magazine um momento dos bastidores dessa amizade, e como foi o processo de produção audiovisual?

Glória é uma amiga de longa data, eu sempre quis esse Feat, mas eu esperei porque queria que fosse especial, quando eu compus essa música, só me veio ela na cabeça e falei “a hora é agora” mandei e ela ficou doida, amou e compôs seu verso que ficou incrível. A produção áudio visual contou com a direção de João Monteiro que já dirigiu clipes meus e vários dela, então estávamos em casa, foi só vibe do início ao fim. Aquele cenário foi todo construído em estúdio, o fundo pintado à mão, muita delicadeza de todo mundo pra fazer o vídeo acontecer.


VAM: Você já cantou com gigantes da música nacional. Com qual artista do Brasil você ainda sonha em trabalhar, e porquê? E o que você mais admira na cultura do nosso país?

Quero muito um feat com a Anitta, mas também acho que precisa ser na hora certa, com a musica certa, eu não sou ansioso, gosto de entregar materiais que façam sentido pra mim. Ela é a maior cantora brasileira, faz pop, começamos na mesma época, acho que seria bem interessante. Eu admiro nossa música, nosso jeito de criar as coisas, um povo que infelizmente mesmo com a falta de acesso vai lá e faz acontecer, dá seu jeito.


VAM: Na moda, qual o seu sonho fashion? Já realizou algum?

Eu já tive muita vontade de ter meus produtos. Já lancei uma linha de bolsas. Hoje eu tô focado na música, mas confesso que amaria trabalhar com isso também.


VAM: Mateus, como você vê a influência nas redes sociais? E como lida com a fama, dinheiro e vida pública?

Existem dois lados das redes, elas se tornaram minha profissão, minha fonte de renda, minha vitrine e eu sou muito grato por isso. Mas ao mesmo tempo existe também essa história do algoritmo, pra que a gente engaje mais e mais e isso muitas vezes se torna sufocante. Acho que as redes são o nosso mundo hoje, e tá tudo bem, mas precisamos fazer delas um ambiente saudável.


VAM: Como cuida da sua saúde mental? E como ajuda os seus a cuidarem de si:

Eu tempo manter uma vida equilibrada e saudável, já vi que isso me deixa feliz. A pandemia nos afastou, mas acho que carinho e se fazer presente é uma boa maneira de mostrar para os nossos que não estamos sozinhos e que precisamos nos apoiar.

VAM: De quem você era fã quando criança? E na adolescência?

Eu sempre gostei muito de figuras pop, meu primeiro ídolo foi o Michael Jackson, eu tinha todos os VHS, também lembro que achava a Lady Di muito interessante. Aqui no Brasil a Xuxa parecia um ser intocável, isso me deixa muito curioso. Mas musicalmente falando acho que o Cazuza é alguém que eu posso dizer que amava porque a identificação foi imediata.


VAM: Também faço parte da comunidade LGBTQIA+, e já tive momentos aterrorizantes de preconceitos. Me conte, você já sofreu ou presenciou essas situações?

As lembranças ruins que eu tenho são da escola mesmo, lá foi bem difícil porque eu estudava num colégio público, gigantesco, 40 alunos dentro de uma sala de aula, então imagina a selva que era. Fui muito machucado nessa época, mas também não carrego angústias, eu simplesmente já superei isso aí, já entendi que o problema da humanidade é a educação e o conhecimento que é negada a ela, é um problema enraizado que os nossos a muito tempo estão mudando, por isso a militância é tão importante, depende da gente e dos próximos mudar isso aí.


VAM: Qual o seu sonho de vida Mateus? E me conte quais os planos para o seu 2022?

Meu sonho de vida hoje é alcançar os objetivos que eu tracei pra minha carreira. Quero lançar meu disco em 2022, quero fazer muitos shows e seguir sólido e firme fazendo o que eu acredito.

BATE-BOLA

1. O que é amadurecimento para você? Ser forte mesmo quando as coisas não saem como você esperava, continuar de cabeça erguida

2. Qual(is) o(s) nome(s) da(s) sua(s) saudade(s)? Família, mãe, mar, viajar

3. Um filme que define a sua vida agora? Difícil isso, sei não

4. Sua dica de beleza? No protetor solar acredite, Pedro Bial me ensinou isso e eu levo pra vida

5. Qual o arrependimento? Sem arrependimentos

6. Você está amando? E como seria um date perfeito? Estou amando, o date perfeito tem que ter uma bebida boa e uma comida gostosa

7. Qual o seu crush famoso? No momento Evan Mock

8. Porque aceitou o convite da revista VAM Magazine para ser capa? E qual a sua mensagem para quem ler essa matéria exclusiva? Aceitei porque ser capa é o sonho de todos. A mensagem que eu deixo é: Se amem, acreditem na sua intuição e trabalhe duro, as coisas acontecem!