Rodrigo Schröder, conheça o médico que transforma pensamentos e hábitos

Conheci o doutor Rodrigo Schröder, expert em Medicina do Esporte & Nutrologia, descobrindo profissionais no Instagram, plataforma que mais trabalhamos hoje em dia, e de lá, como um seguidor da sua profissão comecei a acompanhar a sua rotina tão presente nas plataformas virtuais e na vida real.

Rodrigo responde diariamente dezenas, senão centenas de "caixinhas de perguntas" dos seus pacientes e fãs, sim, fãs, pois além de ser profissional da medicina e atender na sua clínica no Rio de Janeiro, o médico especialista possui mais de 600 mil seguidores inteligentes, e admiradores pelo sucesso profissional de Rodrigo com a transformação de hábitos e pensamentos de muitas vidas.


Em agosto do ano passado, um grande amigo meu e fotógrafo gigante do nosso Brasil, Luiz Brown, que inclusive assina as fotos desta entrevista, me apresentou "formalmente" o doutor, e desde lá o fiz o convite para além de conhecer o "Rodrigo médico", gostaria de conhecer as suas raízes e apresentar outro lado deste profissional.


Finalmente e com grande honra que a VAM Magazine entrevista Rodrigo Schöder, na conversa o médico fala sobre investimentos e negócios, família e intimidade, raízes, e claro, as principais dúvidas que recebe na sua clínica. Leia a seguir a entrevista completa:


VAM: Vamos iniciar essa entrevista falando sobre família, Dr Rodrigo? Nos conte como você era na infância? A respeito de sua alimentação, estudos e criatividade? E nos conte qual o aroma da sua infância?

A minha infância foi a melhor possível. Cresci em uma cidade chamada Nova Iguaçu, baixada Fluminense, lá podia brincar livremente, subir em árvores, pegar frutas no pé (goiaba, manga, carambola) , os vizinhos eram uma grande família, tinha vizinhos que chamava de avô e avó. Jogava bola, brincava de taco, amarelinha, polícia e ladrão, futebol, corrida de bicicleta, carrinho de rolimã... não poderia ser melhor. O aroma da minha infância? Inclusão! Eu era amigo dos ricos, da classe média e dos pobres, e isso me ajudou muito a me transformar em quem sou hoje. Jogava bola no clube mais da elite da cidade e subia o morro pra jogar com os menos afortunados. Acho que as crianças não podem viver numa bolha. Sou grato por ter vivido isso e espero que minha filha possa ver os dois universos também.


VAM: Rodrigo, como foi a pandemia na sua casa? O que aprendes diariamente com a paternidade?

Fortes emoções. Meu pai passou longos dias no CTI. Fora isso, utilizei os dias em casa para criar novos projetos e desafios que estou colocando em prática agora. Consegui acelerar 10 anos em 1 ano, pois tive algo que antes me faltava: tempo.

Sobre a paternidade nos ensina e nos ver sobre outras perspectiva, minha filha é muito parecida comigo. Vejo todos meus defeitos projetados na minha frente na pessoa que Mais amo na vida.

Comecei a amar até pela meus defeitos, risos. Porque amo tudo nela.

VAM: Vejo que muitos dos seus seguidores adoram conhecer mais sobre a sua vida privada, então nos conte, em casa, como é o momento off de vocês? O que costumam fazer em casa, como é o momento off de vocês?

Minha filha adora fazer cinema em casa, adora piscina (quase um peixe rs) e jogar futebol. Tudo que eu amo, nós brincamos juntos e me divirto bastante.

Duas coisas que eu amo, ela também ama e minha esposa idem: restaurantes e viajar.

Poderia resumir nisso praticamente!


Carreira


VAM: Porque escolheu a medicina? Nos conte um momento muito marcante de quando era universitário:

Sou filho de médico e sempre admirei a profissão de meu pai. Acho que ajudou bastante, e desde pequeno me vejo com o objetivo de ser útil na vida de alguém, e na Medicina por exemplo de meu pai, vi que isso era muito possível.

Varias partes mas uma muito marcante foi quando era acadêmico no Hospital Souza Aguiar, no Rio: Chegou um rapaz acidentado, jovem, 20 anos de idade, que infelizmente veio a óbito. Algumas horas depois chegou o pai, quando demos a notícia e olhei em seu olho sua tristeza, nunca mais esqueci aquele olhar e prometi pra mim, estudar o máximo possível para nunca mais ou ver poucas vezes um olhar como aquele de novo. Me marcou muito. E assim prometi e sigo cumprindo, estudo pelo menos 2 horas todos os dias. Todos os dias.


VAM: Você trabalhou com a Globo, também como Médico dos Jogos Mundiais Militares/RJ. No ano seguinte ingressou no Exército Brasileiro como Oficial Médico, onde permaneceu por 2 anos. Cursou e se formou em Residência Médica em Ortopedia e Traumatologia na UFRJ. Hoje é considerado um dos maiores nomes do Brasil na Medicina e Performance esportiva. Qual a sua maior conquista profissional e pessoal?

Depois disso, ainda fiz Medicina do Esporte, Nutrologia e Mestrado em Nutrição e Dietoterapia. Eu não paro. Minha maior conquista profissional pra mim é a conquista da confiança das pessoas. Essa é a MAIOR conquista profissional para um médico. A pessoal? Sem dúvidas, minha família.


VAM: No futebol, você trabalhou com gigantes nomes. Relembre uma situação que gosta de lembrar e conta para seus amigos mais próximos:

Tinha um jogador do Vasco que precisava emagrecer. Fui chamado pela presidência do clube na época para fazer o possível para este jogador: ele disse "então me interna, porque ficando livre vou comer". Ok, colocamos ele em um hotel, comida era entregue no quarto. Trabalho multidisciplinar: médico, nutricionista, psicólogo, preparador físico. Quando ele emagreceu o que precisava, deixaram livre e quando virei a esquina do clube estava ele lá na comunidade comendo salgados, hambúrguer e dois açaís grandes (rsrs), ele tentava se esconder de mim de todo jeito. Quando fui falar com ele, ele responde "melhor voltar pro hotel né Dr?" ..rs...

VAM: Qual o seu objetivo como profissional da saúde? E sobre a vacina de COVID-19, qual o seu pensamento sobre os profissionais que trabalham na área e não incentivam o uso da ciência?

Ajudar o maior número de pessoas possíveis a melhorar seus hábitos de saúde.

Nossa obrigação como médicos é trabalhar com base na ciência.

Dúvidas de consultório


VAM: Quais os procedimentos mais procurados na sua clínica? E o que mais ouve nos seus atendimentos?

Com certeza : "perder gordura e ganhar massa muscular!". A maioria diz que já sabe o que fazer mas não sabe porque não consegue. Identificar os erros e buscar a solução, isso me fascina.

VAM: Cite as 4 maiores mentiras sobre a perda de gordura?

  • alimento x engorda

  • alimento y emagrece

  • Suplemento z emagrece

  • "Para perder gordura tem que passar fome"

Nada disso existe


VAM: Rodrigo, o que atrapalha a hipertrofia no dia-a-dia? Alimentação e rotina, qual a maior dificuldade nos pacientes?

Dieta com pouco proteína, falta de descanso entre os treinamentos do mesmo grupo muscular, falta de hidratação adequada, um sono de má qualidade.


VAM: A partir de qual idade pode-se consultar com você? Qual o perfil do público que busca o atendimento personalizado?

Atendo a partir dos 16 anos de idade se atleta; para não atletas a partir dos 18 anos de idade.

A maior parte pessoas que buscam melhor qualidade de vida e melhora estética.


VAM: Dica do especialista: Quais alimentos precisamos deixar de consumir?

Nenhum! Este é o ponto. Devemos reduzir. Buscar na maior parte do tempo descascar mais e desembrulhar menos. Não gosto de "isso não pode" , o cérebro humano não consegue trabalhar com isso. Temos que na maior parte do tempo se alimentar de qualidade, mas de vez em quando comer algo que goste, mesmo que não tão saudável faz bem para mente, pro convívio social. Nosso dever como médico, é mostrar o que e saudável e ensinar o paciente a fazer isso na maior parte do tempo.

Negócios


VAM: Como empresário, o que acredita ser a profissão do futuro?

Aquelas que realmente se conectem com pessoas. Antes os negócios saiam do marketing para atingir as pessoas. Hoje acredito que futuro e presente é primeiramente se conectar com pessoas.


VAM: No que investe o seu dinheiro e como cuida dele? Existe fórmula de sucesso? Qual a sua?

Hoje literalmente invisto em meus empreendimentos. Outras empresas, terra, construção de propriedades e agora estou investindo na carreira de um artista, que vai explodir em breve... rs


VAM: As redes sociais estão facilitando e impulsionando negócios. Quando você conversa com os seus mais de 600k seguidores, você percebe isso como investimento? Comente:

Não! E não acho que este não seja o caminho! Eu primeiramente me conecto com pessoas.

Nunca pensei como negócio, e acho que por isso deu tão certo. Meu branding é ser eu mesmo.

Cuidados


VAM: Como cuida da sua saúde mental?

Lembrando quem é o Rodrigo de verdade, de onde veio, como começou. Todos os dias faço este exercício. Demoro quase 20 min isso todos os dias antes de começar o dia. E trabalhar minha parte espiritual sem dúvidas me ajuda muito.


VAM: Quais hábitos que deixou para trás?

Perder tempo. Gastar tempo com coisas ou pessoas que não me somem em nada e nem me façam evoluir como pessoa. Acho que é o nosso bem Mais valioso: "tempo". O único que não volta.

VAM: Doutor, você se considera vaidoso? Como cuida do seu corpo? Já fez alguma cirurgia?

Considero. Não saio de casa sem o cabelo estar arrumado, coloquei lentes de contato nos dentes, faço meu botox com minha esposa Paula Schröder que é médica. Mas cirurgia plástica nunca.


VAM: É fã da moda? Tem algo que tenha fetiche em consumir? Qual a peça mais cara que possui?

Sou sim! Meu maior fetiche e minha peça mais cara comprada são os mesmos. Comprei um Nike Air Jordan Dior. Uma maluquice mas eu tive que fazer. Não tenho coragem de usar. Só usei umas 2 vezes.


Final: Qual o seu desejo para 2022? Temos novos planos para o seu canal no Youtube?

Meu desejo para 2022 é conseguir dobrar o número de pessoas que eu possa ajudar com minhas orientações de saúde. Tenho um projeto de Tv que era pra ter saído em 2020 e foi adiado. Vamos ver se sai este ano. Será?


Sobre o YouTube preciso gravar mais, sou ansioso gosto de gravar e colocar no ar, e lá precisa de edição e tratamento, acaba de desanimando. Mas este ano mais movimentar mais lá também, além de mais projetos pro Instagram.


Entrevista e editoria: Antonnio Italiano

Editoria fotográfico: Luiz Brown


Você gostou desta entrevista? Vem seguir o Dr. Rodrigo no Instagram: https://www.instagram.com/rodrigoschroder/?hl=en


Acesse aqui mais matérias da revista