Um dos maiores surfistas do mundo na capa de setembro: Pedro Scooby com exclusividade

Pedro Vianna, mais conhecido como Pedro Scooby, é o surfista brasileiro reconhecido internacionalmente como um dos melhores do mundo, nascido em 10 de agosto de 1988, no Rio de Janeiro. Ganhou o apelido e agora sua marca Scooby quando criança pelos amigos próximos, que apontavam semelhança com o personagem de desenho animado "Scooby Doo", além da forma de falar.

Editor chefe e entrevista @antonnioitalino Fotos @marciofariasfoto Assistente @humbertofelga Styling e Produção executiva @samantha_szczerb Beleza @daianneemartins Video @vegalsfilms Locação @cliffside_rio

Este ano, durante passagem pelo Brasil, foi destaque mais uma vez ao deter, em abril, uma das maiores e mais raras ondas da Laje da Besta, na Baía de Guanabara (RJ), com cerca de 5 metros de altura. Ele também surfou uma enorme onda em um 'swell' histórico de Nazaré que aconteceu em outubro de 2020, cotada pela WSL como uma das maiores surfadas no mundo. Além disso, já venceu o Gigantes de Nazaré (em 2019), edição especial do Esporte espetacular, da TV Globo. Isso sem contar os paredões encarados por ele no Havaí, México, Peru, Chile, Indonésia e por aí vai.


Nessa entrevista Scooby, paizão de três filhos, Dom (nascido em 26 de março de 2012) e dos gêmeos Bem e Liz (nascidos em 1º de setembro de 2015), frutos do casamento com a atriz Luana Piovani, destaca também a importância de entender a cabeça dos filhos, de cada um, para poder se doar ainda mais ao que eles precisarem.


Aos 33 anos, o surfista movimenta o mercado esportivo com a sua história e estilo de vida inspirando carreiras. Cheio de personalidade posou para a VAM Magazine junto ao bate papo exclusivo. (fotos de Márcio Farias) no badalado Cliffside Rio.


Entrevista:


Pedro conte para a VAM Magazine e para os seus novos fãs, como você começou a carreira?

Meu primeiro contato foi logo aos 5 anos, quando eu aprendi a ficar em pé na prancha. Depois aos 10 anos eu entrei na escolinha e comecei a surfar todos os dias e depois com 12 eu já estava competindo e tendo o meu primeiro patrocínio.


Com 33 anos e adepto ao freesurfer desde muito novo (primeira vez que pisou na prancha foi aos cinco anos), qual a dificuldade que ainda você acredita existir no mercado para novos atletas, e como foi esse início para você?

Eu acho que o surf e outros esportes precisam de mais apoio. Porque no cenário de hoje temos atletas com muito potencial, mas que infelizmente não evoluem por falta de investimento. Não conseguem participar de campeonatos internacionais, representam o país de origem, mas precisam sair do país para poder se profissionalizar. São dificuldades que infelizmente atrap